Radioterapia na Atualidade

 

Comparada a outras especialidades médicas, a radioterapia é relativamente nova no Brasil. Em 1918 teve início o primeiro aparelho, da então denominada, roentgenterapia.
Em 1959 foi inaugurada a primeira unidade de  telecobaltoterapia da América Latina no Rio de Janeiro, sendo que o primeiro Acelerador Linear do Brasil e da América do Sul foi instalado somente em 1971, no Hospital Oswaldo Cruz.

 

Dada a importância da radioterapia frente aos  seus resultados terapêuticos, nas últimas décadas ocorreram avanços tecnológicos exponenciais, visando melhorias na precisão do tratamento e o equacionamento da relação entre dose entregue ao tumor e  dose entregue aos tecidos sadios adjacentes. Dessa forma, estudos de escalonamentos de dose  ,     hipofracionamentos,   reirradiação  etc , ampliaram as perspectivas  de  benefício da  radioterapia no cenário oncológico e novas teorias conjuntamente a  novos protocolos puderam ser desenvolvidos e aprimorados.

 

Os tratamentos podem variar segundo as técnicas e  disponibilidade tecnológica de cada Serviço, tais como tratamento bidimensional (2D), Radioterapia conformacional  ou tridimensional (3D), Radioterapia com Modulação de Intensidade de Feixes (IMRT), Arcoterapia - Radioterapia Guiada por Imagem (IGRT), Radiocirurgia Estereotáxica, Radioterapia intraoperatória, braquiterapia . Estas existentes no Brasil.

 

Atualmente a Radioterapia faz parte do tratamento de mais de 60% dos pacientes oncológicos. Promove a cura e o controle de diversos tumores, além de contribuir na paliação e na qualidade de vida.